MEDIÇÃO DIRETA DE FORRAGEM

Escrito por:
Maria Tereza Grasel Rodrigues
Gerente de Projetos no AgroHUB

Antes de falarmos da metodologia de Medição de Forragem, é interessante introduzirmos esta técnica, com seus resultados e planejamento.

Primeiro, veja a imagem abaixo para entender melhor os conceitos de Massa de Forragem e de Densidade.

Imagine que a pastagem esteja cobrindo um hectare de área. Se cortássemos toda a forragem disponível neste um hectare a partir do solo e pesássemos essa massa natural de capim, chegaríamos ao total de quilos de matéria natural por hectare. Como a água presente nos alimentos não contém valor nutricional, a massa precisa ser seca para chegarmos ao valor de quilos de matéria seca por hectare.

A Massa de Forragem trata-se justamente do total de quilos de matéria seca de forragem por hectare.

Agora considere a medição de altura. Se pegássemos toda essa Massa de Forragem em quilos e dividíssemos pela altura média do dossel, chegaríamos ao valor de quilos de matéria seca de forragem a cada centímetro de altura por hectare. Este valor é justamente a Densidade da Forragem, o total de quilos de matéria seca de forragem por centímetro por hectare. Enquanto a Massa de Forragem é uma medição única da área aferida no momento da medição, podendo ser considerada uma “foto” da situação, a Densidade é um dado menos mutável. Com uma boa quantidade de medições dentro da sua fazenda, em diferentes espécies forrageiras e épocas do ano, é possível criar um banco interno de Densidades. Estes valores serão utilizados para chegar ao valor de Massa de Forragem de maneira indireta, multiplicando-se a Densidade de referência pelas alturas aferidas, principalmente nos momentos de entrada e saída dos piquetes. Para conhecer mais, veja esta postagem sobre Importância da altura de entrada e saída das pastagens.

A Densidade será essencial para um bom Planejamento Forrageiro e produtividade a pasto, como discutido nesta postagem: Importância da Medição de Forragem.

A Medição Direta de Forragem é uma técnica de aferição da Densidade e da Massa de Forragem realizada dentro da fazenda. Antes de entrarmos na execução, é importante primeiro falar do planejamento desta atividade. Apesar de ser simples, esta é uma técnica que exige dedicação, pois quanto mais medições houver, maior a confiabilidade e aplicabilidade dos dados.

Recomendamos que você primeiro eleja qual ou quais espécies forrageiras são importantes de acompanhar dentro da sua fazenda. Depois, para cada espécie, eleja um ou dois módulos de fácil acesso e que sejam representativos do restante dos piquetes desta mesma forrageira dentro da sua fazenda.

Seria interessante realizar a medição direta de forragem em cada um dos módulos eleitos ao menos uma vez por ciclo de pastejo, preferencialmente nos momentos de entrada dos lotes.

Outro ponto importante do planejamento é o tamanho da área de corte das amostras de forragem. Durante a realização da medição, será preciso cortar duas a três amostras de todo o capim acima do solo. O tamanho da área de corte dependerá da espécie forrageira.

Para espécies de menor porte e com cobertura de solo mais uniforme, como Tiftons, recomenda-se molduras de corte com área de, no mínimo, 0,25m².

Para espécies de maior porte, mas com comportamento de maior cobertura de solo, como as Brachiarias, recomenda-se molduras de corte com área maior ou igual a 1m².

Para espécies com comportamento cespitoso, que formam touceiras tais quais os Panicuns, indica-se molduras com área maior ou igual a 2,25m².

A tabela abaixo demonstra a dimensão da moldura a ser utilizada para o corte da forrageira:

Fonte: Adaptado de Circular Técnica Embrapa.

Nos próximos artigos iremos descrever toda a execução da Medição Direta de Forragem e também como realizá-la dentro do AgroHUB, o que agiliza e padroniza a coleta de dados e já fornece os resultados instantaneamente.

Se ainda não conhece o AgroHUB, aproveite clicando no link, é gratuito!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.