Melhoria contínua – Análise do caso da Fazenda Santa Bárbara

Marcelo Soares
Consultor Exagro

“Hoje colhemos os frutos de uma mudança estruturada e do apoio da equipe.”

A fazenda Santa Bárbara é uma das nossas parceiras no projeto PastoComCiência e hoje apresentaremos um caso onde houve sucesso na melhoria de estrutura e processos para melhor manejo do pastejo. Iniciaremos com uma breve descrição de suas características e situação anterior, mostraremos o processo de melhoria e, por fim, resultados.

A fazenda fica localizada no estado de Goiás, possui relevo variando entre plano e ondulado e possui solos de fertilidade mediana. As pastagens são de Braquiarão e Andropogon, a pluviometria média é de 1.470 mm por ano, com período seco bem definido.

O sistema de produção utilizado é a Recria e Engorda de machos a pasto. Utiliza-se sal mineral com ionóforo no período das águas e, proteinado de baixo consumo na seca. Até o ano 2015, havia predominância de bebedouros naturais na fazenda, como córregos e represas.


Exemplo de bebedouro de fonte natural da fazenda.

Em 2015, devido ao baixo volume de chuva, alguns pastos ficaram sem água. A seca obrigou o encarregado a penalizar o manejo, pois precisou juntar e misturar animais nos pastos que ainda tinham água disponível. Houve uma grande queda na eficiência de ganho de peso dos animais, assunto já discutido aqui no Blog

https://pastocomciencia.com.br/2019/06/12/apartacao/

Com o objetivo de evitar os mesmos problemas no futuro, no ano de 2016, foi iniciado um plano de investimento em captação e distribuição de água, com perfuração de poço artesiano e construção de reservatórios e bebedouros. Em 2019, cerca de 90% dos pastos possuíam bebedouros artificiais.

Bebedouro na fazenda após o investimento.

Além dos investimentos na distribuição de água, ainda foram necessários alguns ajustes nas cercas para otimizar o uso das pastagens. Também no processo de melhoria do Manejo a Pasto, na safra 2018/2019, implantou-se o uso do AgroHUB, com a medição das alturas na entrada e saída dos lotes nos pastos, para acompanhar a oferta de forragem aos animais. Os valores resultantes estão apresentados abaixo:

Tabela 1. Lotação e altura média safra 2018/2019:

 Tabela 2. Desempenho por faixa de peso safra 2018/2019:

Após avaliação dos dados coletados, verificou-se que o desempenho da recria estava abaixo do potencial da fazenda. Estando isso apresentado e verificado por números, durante reunião com proprietária e equipe, foram levantados alguns pontos de melhoria nos processos de manejo, com objetivo de aumentar o desempenho dos animais. Dentre os itens levantados estavam:

Finalização dos bebedouros para proporcionar melhor acesso e qualidade da água ofertada aos animais

Ajustes e implementação de cercas que permitiriam melhorar o uso das pastagens e evitariam mistura de lotes;

Adequação de saleiros, ajuste da taxa de lotação e adequação da altura de manejo das pastagens.

Com base nestas necessidades, um plano de ação foi elaborado e colocado em prática! Após o grande empenho da equipe em cumprir o plano de ação, foi com grande satisfação que apresentamos e discutimos, com os mesmos envolvidos, os dados colhidos e resultados positivos obtidos na safra de 2019/2020. Seguem abaixo alguns destes:

Tabela 3. Lotação e altura média safra 2019/2020:

Tabela 4. Desempenho por faixa de peso safra 2019/2020:

Analisando os valores apresentados acima, verifica-se que a decisão tomada em alterar o manejo, reduzindo a altura de entrada, proporcionou uma melhor qualidade da forragem ofertada. Além de aumentar o suporte, gerou um desempenho de 28,8 quilos a mais por cabeça em relação à safra anterior. Quando calculamos o valor financeiro gerado pelo aumento de produtividade neste ano da fazenda, que é a multiplicação das @’s produzidas a mais pelo preço da @ média vendida da fazenda e o rebanho médio a pasto, o valor gerado no ano foi de aproximadamente 250 mil reais. Valor suficiente para pagar o investimento realizado.


O apoio da equipe envolvida na construção das estruturas e no manejo dos pastos foi de suma importância para viabilizar o aumento do desempenho dos animais. Com base em toda a evolução e aprendizados na Fazenda Santa Bárbara, deixamos um recado:

“É importante ressaltar que, para que tudo isto seja possível e para que os planos sejam realmente convertidos em geração de caixa, não basta apenas investir em bebedouros, cercas e aumentar a taxa de lotação. O planejamento, o treinamento da equipe e o comprometimento são essenciais para que os resultados sejam alcançados. Só conseguimos evoluir pelo apoio e engajamento da equipe, desde a coleta de dados até a execução das tarefas combinadas. Ao final, o resultado é gratificante!”

Até o próximo post!

 

 

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.