Integração Lavoura- Pecuária (ILP)

Marcus Vinícius Prado Silva
Consultor Exagro

Olá, leitores! Vocês conhecem o sistema de integração lavoura-pecuária?

A utilização deste sistema tem aumentado bastante nas propriedades brasileiras, devido a algumas vantagens que esse proporciona. O objetivo deste post é falar um pouco deste sistema produtivo e elencar algumas vantagens e desafios às quais devemos ficar atentos durante a implementação desta prática.  

Imagem 1: Integração Lavoura-Pecuária

O que é integração lavoura-pecuária?

O sistema de ILP é a integração de culturas agrícolas (agricultura) e pastagem (pecuária) na mesma área, podendo ser aplicado por rotação ou sucessão de culturas em períodos específicos. Este sistema tem o potencial de sinergia e melhoria na produtividade em ambos os sistemas.

Normalmente, o sistema é realizado no início das chuvas com o plantio da lavoura e, em seguida, para a safrinha, é realizado o plantio de capim, que será utilizado pela pecuária. Em alguns locais com maior pluviosidade ou irrigação, é possível realizar duas safras de agricultura, geralmente a primeira safra com soja, seguida de milho consorciado com capim para pastejo após a colheita dos grãos. O restante do capim não consumido pelos animais é dessecado e utilizado como palha para o plantio direto da lavoura seguinte. Esta palha que fica sobre o solo é muito importante para permitir o sucesso do plantio direto e aumento da produtividade da lavoura.

Para a implantação da cultura agrícola, o cultivo pode ser convencional, com preparo de solo, ou em plantio direto. O convencional é mais utilizado na fase inicial de estabelecimento, na recuperação da pastagem degradada ou em novas áreas, objetivando a incorporação de corretivos e fertilizantes e uma melhor sistematização da superfície do solo. Já o sistema de plantio direto (SPD) passa a ser mais eficiente após a correção da fertilidade e da adoção de práticas de conservação do solo. (Zimmer et al, 2007).

Imagem 2: Braquiária dessecada para o Sistema Plantio Direto

Existem diversas formas de integrar a agricultura com pecuária e o dimensionamento do sistema varia conforme o planejamento, o caixa disponível na fazenda e a capacidade de execução da propriedade. 

As culturas utilizadas podem variar conforme a região, mas as de maior destaque hoje são a soja e o milho, muito em razão de suas produções e importância econômica.

Vantagens

Hoje no Brasil existe uma grande área de pastagem degradada e a integração é uma ferramenta fundamental para a reforma de áreas de pastagens degradadas. A implantação em áreas degradadas é uma estratégia que permite remover as invasoras durante o processo de implantação, como também a introdução de corretivos e adubos na área. Desta forma, a pastagem, após a retirada do grão, se torna mais produtiva, de mais alta qualidade, e promove o aumento da capacidade de suporte das pastagens, o aumento no desempenho animal e uma redução de custo na implantação de pastagens, pelo fato de diluir o custo dos insumos e da operação para implantar o capim.

O pastejo, realizado na época seca do ano na integração, se torna uma estratégia para o planejamento alimentar, aumentando a taxa de lotação da fazenda na época mais crítica de suporte da pastagem, momento em que a maioria dos produtores precisa lançar mão de estratégias de alívio de carga animal, aumentando a oferta.

Imagem 3: Animais em recria a pasto em área de ILP.

Imagem 3: Animais em recria a pasto em área de ILP.

Na agricultura, algumas vantagens da integração se devem pela rotação de culturas e controle de pragas, como os nematoides que geram danos às culturas agrícolas. A forrageira implantada também tem função de servir de palhada para o SPD, fonte de matéria orgânica e proteção do solo. Pelo fato de melhorar a qualidade do solo, as raízes tanto da lavoura, quanto da forrageira, conseguem buscar nutrientes mais profundos, permitindo o aumento da produtividade e redução das quebras de produção por intempéries climáticas.

Outra vantagem é a diversificação da produção e fontes de receita entre grãos e animais. Em alguns casos, a produção dos grãos pode ser utilizada para atender o sistema produtivo pecuário, não ocorrendo a venda deste insumo no mercado, reduzindo a necessidade de compra de insumos para a nutrição dos animais.

Na parte ambiental, o respeito ao meio ambiente e a redução da emissão de gases de efeito estufa são destaques para a integração, que aumenta o sequestro de carbono, reduz operações durante o plantio direto e reduz a necessidade de inseticidas e herbicidas para manter a área produtiva.

Desafios

A implantação do sistema de integração lavoura pecuária deve ser feita com muito critério, pois o sistema requer muito domínio nos processos e competências para implementar e executar a operação, trazendo a necessidade de profissionais capacitados para atender as demandas específicas do sistema.

O custo de implantação não é baixo. Caso uma fazenda de pecuária esteja avaliando a adoção do sistema, a compra de insumos e sementes para o plantio pode impactar no fluxo de caixa da fazenda e inviabilizar a operação. O mesmo pode acontecer quando o sistema inicial é somente agrícola, sendo impactado pelos custos de aquisição de animais e infraestrutura. Existem alguns outros custos também, como a necessidade de compra e manutenção de maquinários apropriados para realizar o plantio e colheita da produção ou para elaboração de suplemento animal, como uma possível fábrica de ração.

A localização da propriedade e logística de escoamento pode inviabilizar o sistema, seja pelo acesso, seja pela distância de centros compradores dos produtos. As estradas devem estar em boas condições para a retirada e entrada dos insumos na fazenda.

A topografia e tipo de solo devem ser levados em consideração, pois podem não permitir acesso e ação dos maquinários para o plantio ou germinação das culturas.

Em resumo, o sistema de Integração Lavoura Pecuária (ILP) é promissor e cada vez mais será adotado pelas propriedades rurais pelas vantagens competitivas que ele traz ao sistema produtivo, mas uma análise de viabilidade técnica é sempre importante para o início da adoção de novos sistemas.

Bibliografia:

ZIMMER, A. H.; MACEDO, M. C.; ALMEIDA, R. G. de; KICHEL, A. N. Utilização e manejo de culturas na integração lavoura-pecuária. In: SIMPÓSIO INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA, 1., 2007, Vale do Guaporé, MT. [Anais…] [Pontes e Lacerda]: UNEMAT, [2007]. 31 p. 1 CD-ROM. CNPGC.

 

 

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.